ESG: três letras para mudar o mundo - Recicla Sampa
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Compartilhar - WhatsApp Compartilhar - Facebook Compartilhar - Twitter Compartilhar - Linkedin

ESG: três letras para mudar o mundo

03 de Dezembro de 2021,14h00

Foto1
Painéis solares são uma opção de energia sustentável. Foto: Jenson / Shutterstock.com

Investir em práticas e processos sustentáveis ambientalmente, promover impactos sociais positivos e adotar uma conduta corporativa ética: assim pode ser definido o conceito de ESG (Environmental, Social and Corporate), que traduzido para o português seria algo como ambiental, social e governança.  

Na prática, o ESG pode ser utilizado para significar o quanto uma empresa procura formas de minimizar os seus impactos no meio ambiente, construir um mundo mais justo, ser mais responsável com as pessoas à sua volta e manter as melhores práticas de governança coorporativa em seus processos de gestão.

Além disso, o ESG é atualmente utilizado como critério para investimentos com uma abordagem sustentável. Em vez de olharem apenas para os resultados financeiros, por exemplo, os investidores também olham para os fatores da sigla.

Isso sem falar que a cada nova de pesquisa de mercado publicada, vemos consumidores cada vez mais preocupados com aspectos sociais e ambientais antes de decidir por uma compra.

Foto1
Empresa com práticas sustentáveis. Foto: Monkey Business Images / Shutterstock.com

ESG: letra por letra

Vamos começar pela preservação do planeta (E). Para ser ESG, uma empresa precisa ter iniciativas para proteger os recursos naturais do planeta e reduzir a emissão de gases poluentes.

A letra faz referência ao efeito que as atividades das empresas têm sobre o ambiente, direta ou indiretamente.

O S inclui o impacto positivo que uma empresa ou organização têm nas demandas sociais e nas pautas prioritárias da comunidade onde está inserida. 

Já o G refere-se às Boas Práticas de Governança Corporativa: composição e diversidade no seu Conselho de Administração e na sua comunicação, além de políticas de transparência e códigos bem definidos para a prevenção aos desvios de conduta e à corrupção.

Não é de hoje que as empresas têm o compromisso com a sociedade de assumir boas práticas. Também não é novidade que dar visibilidade às boas iniciativas é uma forma de melhorar a imagem com os consumidores e com o mercado.

Posto isso, as organizações buscam incorporar cada vez mais estes três princípios em suas políticas, uma vez que o peso dos critérios têm no mundo moderno pode não só garantir a sustentabilidade ambiental do planeta, como a própria sustentabilidade da empresa.

A inserção de um modelo de gestão mais sustentável não é uma tarefa fácil, mas é extremamente compensatória, tanto para o mundo, quanto para os lucros. Um futuro sustentável é o único cenário possível para os negócios do século XXI.

Texto produzido em 3/12/2021

Ícone - Carta

Receba nosso conteúdo


Últimas

Notícias

Com alta reciclabilidade, cobre é um resíduo valioso

Furto de cabos de semáforos na cidade de SP subiu 47% no primeiro semestre de 2022

03/08/2022
Notícias

Saiba como descartar o lixo de forma correta

É muito fácil separar os diferentes tipos de resíduos e começar a reciclar

02/08/2022
Notícias

Comissão da Câmara debate reciclagem de carros velhos no Brasil

Apenas 1,5% do carros velhos são reciclados no país; na Europa, índice chega a 85%

01/08/2022
Notícias

Maior parte do plástico de delivery não é reciclada, revela estudo

Dados inéditos indicam aumento de 46% de plástico enviado nos pedidos

29/07/2022