Pesquisador brasileiro cria esponja biodegradável e reutilizável

10/06/2021

Bolsista da Coordenação de Pessoal de Nível Superior (CAPES), José Yago Rodrigues Silva, químico doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência de Materiais da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), apresentou no último mês de março o resultado do seu projeto de pesquisa onde desenvolveu uma esponja biodegradável e reutilizável.

A bioesponja, como foi chamada, é 100% sustentável e produzida a partir do alginato, um composto orgânico presente nas algas marinhas, capaz de absorver rejeitos de petróleo e de ajudar a descontaminar as águas dos rios e dos oceanos.

José Yago concedeu recentemente uma entrevista ao portal da CAPES onde explica a importância do seu projeto para o Brasil e para o meio ambiente. Confira abaixo na íntegra.

Quais os objetivos da sua pesquisa?

A minha pesquisa teve como objetivo desenvolver uma bioesponja capaz de ser sintetizada em escala industrial para a descontaminação de águas poluídas com rejeitos orgânicos, sendo o petróleo o principal deles. Além disso procurei criar um produto que pudesse reutilizar os contaminantes extraídos das águas.

Qual a importância da sua pesquisa para o Brasil? E para o mundo?

O Brasil é um dos países com mais água potável no mundo e ainda se encontra em desenvolvimento. Logo, acidentes ambientais envolvendo contaminação de água são inevitáveis. O nosso produto é muito importante por ser capaz de reduzir e remediar os danos ambientais causados na água. Além disso, a bioesponja é de um produto de baixo custo e biodegradável. O mundo exige a cada instante o cuidado com o meio ambiente. O Brasil é um dos grandes cenários que se encontram sob constante observação e fiscalização pela comunidade internacional devido às suas riquezas naturais. O desenvolvimento e a aplicação desse produto contribuiria para a formação de uma imagem positiva de desenvolvimento e preocupação com o meio ambiente. A ArqueaTec, startup de soluções biotecnológicas e sustentáveis voltada para a descontaminação e remediação de águas, que produz a bioesponja, segue as exigências globais e oferece um produto eficiente e biodegradável, apropriado para a descontaminação de água.  Isso valoriza economicamente o produto e é essencial para a sociedade.

Como a sua pesquisa beneficia a sociedade?

Acidentes envolvendo a contaminação de águas são cada vez mais frequentes no Brasil e no mundo como resultado negativo ocasionado pelo crescimento industrial. Em 2019 tivemos um dos maiores acidentes ambientais quando toneladas de petróleo apareceram na costa brasileira. Isso atingiu diretamente a economia local. Neste acidente fomos capazes de identificar a necessidade de desenvolver tecnologias capazes de enfrentar eventos catastróficos de forma a extinguir ou diminuir os impactos à saúde, ao meio-ambiente e econômicos para a sociedade.

O que ela traz de novidade diferente do que já existe na literatura? A bioesponja apresenta uma fabricação simples, facilitando sua produção em escala industrial. É produzida com materiais biodegradáveis, baratos e de rápida e fácil remoção dos contaminantes propostos. Um fator positivo é a reutilização das bioesponjas e a capacidade de separação e recuperação dos contaminantes estudados. Sua aplicação em acidentes ambientais promove uma solução eficiente e de baixo custo, minimizando os impactos ambientais.

Quais foram os resultados?

A esponja mostrou uma eficiência de remoção acima de 99% para o óleo de motor usado e hexano. Além disso, o material pode ser reutilizado por mais de 10 vezes, perdendo apenas 20% da sua capacidade inicial. Como os resultados iniciais foram positivos, a bioesponja teve sua patente de registro depositada e ainda motivou a criação da ArqueaTec.

Qual a importância da CAPES no projeto?

A CAPES entra como um órgão essencial no desenvolvimento e formação dos recursos humanos e financeiros para a manutenção de equipamentos essenciais à criação dos materiais.

Tags: entrevistas, notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados