Recicla Sampa - Conheça o caminho do lixo reciclável nas cooperativas
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Conheça o caminho do lixo reciclável nas cooperativas

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Dados da ANCAT indicam que existem mais de mil cooperativas de reciclagem no Brasil. Foto: @role_sp

Segundo dados da Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT), existem mais de mil cooperativas de reciclagem em todo o Brasil.

Ainda de acordo com a ANCAT, esses espaços são responsáveis por gerar emprego e renda para cerca de 400 mil trabalhadores brasileiros.

Aqui em São Paulo, são 25 cooperativas cadastradas no Programa Socioambiental de Coleta Seletiva da Prefeitura e mais de mil famílias beneficiadas.

Portanto, ao separar corretamente o lixo reciclável você não faz apenas sua parte pelo meio ambiente, mas garante dignidade para pessoas em condições de vulnerabilidade social.

Caminho do Lixo nas Cooperativas

Antes de qualquer coisa, é preciso explicar que as cooperativas funcionam como espaços de separação manual e armazenamento dos diferentes tipos de materiais recicláveis.

“Por este motivo, é importante que os resíduos sejam previamente higienizados por quem faz as doações e o descarte na coleta seletiva domiciliar, principalmente para evitar a presença de roedores, insetos e a disseminação de doenças”, explica a equipe da Coopercaps, referência do setor no Brasil.

Abaixo, em parceria com a Coopercaps, organizamos um passo a passo do caminho do lixo nas cooperativas cadastradas em São Paulo.

1. Chegada dos resíduos: Os resíduos chegam por meio de doações ou pela prestação de serviços. Em média, são entre 15 e 20 toneladas por dia, cerca de 12 caminhões lotados, além da coleta dos caminhões da própria cooperativa.

2. Rasga-sacos: Assim que o material chega, é realizado uma pré-triagem chamada de rasga-sacos. Os rasga-sacos são responsáveis pela separação entre resíduos recicláveis e rejeitos, materiais sem reciclabilidade que podem ferir os trabalhadores ou prejudicar o funcionamento das esteiras.

3. Triagem: Em seguida, é feita a verdadeira separação dos materiais. Atualmente, 22 mulheres são responsáveis pela triagem de mais de 40 tipos de resíduos, separados por tipologia e cor.

4. Big Bags: Depois de separados, esses materiais são acondicionados por tipo em grandes sacos e são levados para as áreas de prensagem.

5. Processo final: Depois de prensados, os resíduos são acondicionados formando fardos, que são identificados, pesados e levados ao estoque até a comercialização com a indústria da reciclagem.


Últimas

Notícias

São Paulo lança programa para melhorar gestão de resíduos

Projeto busca modernizar infraestrutura de tratamento e destinação do lixo no estado

17/06/2024
Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024