Recicla Sampa - Eco Carnaval: glitter ecológico
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Eco Carnaval: glitter ecológico

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Glitter. Foto: kelifamily/shutterstock.com

Componentes indispensáveis no traje carnavalesco, o glitter e a purpurina são os queridinhos do Carnaval e marcam presença em fantasias que desfilam pelas ruas, blocos e sambódromos. No entanto, ambientalistas apontam que o uso desses materiais traz grandes prejuízos para a natureza, principalmente por levarem centenas de anos para se decompor e por causarem danos à vida marinha.

Feitos de placas de garrafa PET ou PVC, que são metalizadas com alumínio e tingidas com cores diferentes, o glitter é cortado em pequenas partículas por uma máquina trituradora com 60 dentes rotativos, o que permite que fiquem no seu formato original: bem pequenos, coloridos e atrativos. De acordo com o biólogo marinho Cláudio Gonçalves, pelo seu tamanho, o material não pode ser retirado do meio ambiente e acaba contaminando o solo e o fundo dos rios e dos mares. "Eles liberam continuamente substâncias químicas presentes na sua matriz plástica, além dos pigmentos sintéticos, que dão sua cor e brilho", explica em entrevista para a revista Superinteressante.

Além de fazer mal à fauna marinha quando ingerido, o glitter também afeta a vida dos seres humanos, que muitas vezes se alimentam de peixes e frutos do mar. "Os microplásticos ingeridos por esses organismos podem afetar seu crescimento e atrapalhar sua alimentação como um todo - e consequentemente impactar toda a cadeia de alimentação", conta Trisia Farrelly, especialista em ecologia urbana da Universidade de Massey, em entrevista para BBC.

Para Gonçalves, devido a facilidade com que esses materiais chegam ao mar, a melhor opção é manter distância do glitter e da purpurina. "É uma poluição desnecessária, assim como o rojão é desnecessário, por causa da poluição sonora. Na verdade, acho que nós não fazemos muito bem ao meio ambiente", diz em entrevista para o jornal O Globo.

Brilhando de maneira consciente

Para quem não dispensa o uso do brilho no Carnaval, a boa notícia é que já existem empresas que produzem o glitter biodegradável, uma purpurina que não faz mal a ninguém. Produzido de maneira artesanal por duas biólogas marinhas, a Brilhow está disponível em três modelos: estelar, escaminha e areia mágica.

Amante do carnaval carioca, Frances começou a fazer experimentos caseiros para encontrar soluções e não deixar de se banhar em purpurina. Foi de uma brincadeira que nasceu a Pura Biglitter, marca vegana e artesanal de bioglitter feito à base de algas marinhas e mica, com diversas opções de cores e brilho.  

Com o lema de "vamos brilhar sem culpa", Maíra Inaê concebeu a Glitra. Com matéria-prima importada da Europa, ele é feito à base de celulose e eucalipto, misturados ao óleo de jojoba e vitamina D. Com quatro cores, a marca promete hidratar a pele e reverter parte do lucro para projetos que ajudam a causa dos oceanos.

 

Fontes: SuperinteressanteBBCO GloboBrilhowPura BiglitterGlitra

 

Texto produzido em 15/01/2019


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024