Recicla Sampa - Enzima que digere plástico é descoberta acidentalmente
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Enzima que digere plástico é descoberta acidentalmente

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Enzima pode degradar garrafas plásticas. Foto: Trong Nguyen / Shutterstock.com

Pesquisa, observação e persistência são a alma da ciência. Mas um outro elemento, nada científico, vez por outra pode dar sua contribuição. Uma certa dose de acaso, por exemplo, permite grandes avanços. O relatório publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences conta o caso de uma enzima, descoberta acidentalmente por cientistas americanos, que digere plástico.

Mas como isso aconteceu? Há dois anos, em um centro de reciclagem no Japão, outros pesquisadores já haviam descoberto uma enzima (que é um subproduto químico desenvolvido por organismos vivos) que digere plástico, especialmente o PET. Agora, ao estudar como essa enzima – “batizada” de PETase – funciona, pesquisadores da Universidade de Portsmouth e do Laboratório Nacional de Energia Renovável do Departamento de Energia dos EUA acidentalmente criaram uma nova, 20% mais eficiente do que a natural.

A PETase é proveniente de uma bactéria chamada Ideonella sakaiensis e funciona “quebrando” o PET em ácido tereftálico e etilenoglicol. Este processo leva apenas alguns dias, diferentemente da decomposição do material, que pode demorar séculos. Para colocar em prova a tese de que a PETase evoluiu em um ambiente rico em PETs, os pesquisadores induziram uma mudança genética na PETase para torná-la parecida com a cutinase (uma enzima encontrada em fungos que infectam plantas).

Foi assim que a nova enzima, que realiza a degradação de plástico de forma ainda mais eficiente, foi criada. E, além de degradar PETs, ela também tem capacidade comprovada de digerir o furandicarboxilato de polietileno (PEF), uma alternativa biológica aos PETs.

“Embora a melhoria seja modesta, essa descoberta inesperada sugere que existe espaço para melhorar ainda mais essas enzimas, nos colocando mais perto de uma solução de reciclagem para a montanha crescente de plásticos descartados”, disse em comunicado John McGeehan, autor principal do novo estudo.

 

Fontes: Gizmodo | PNAS.

 


Últimas

Notícias

Enchentes devem gerar 47 milhões de toneladas de lixo no RS

Estimativas indicam cerca de 19 milhões de toneladas de escombros de casas e edifícios

23/05/2024
Notícias

Brasília recebe Congresso Internacional Cidades Lixo Zero

Considerado o mais importante do setor, evento acontece em junho na Capital Federal

22/05/2024
Notícias

A voz e os ouvidos dos oceanos

Expedição 100% feminina zarpa para pesquisar microplásticos nos mares do Brasil

21/05/2024
Notícias

Roraima lidera ranking da reciclagem no Brasil

Estado recicla 10% dos materiais recicláveis, seguido por Santa Catarina com 5%

20/05/2024