Maior aterro sanitário da América Latina dá lugar à biblioteca

30/07/2019

Imagem - Cantos de Leitura quer incentivar contato dos moradores com a literatura. Foto: Plurale

Cantos de Leitura quer incentivar contato dos moradores com a literatura. Foto: Plurale

Localizado a apenas 30 quilômetros da praia de Ipanema, o município de Duque de Caxias, região metropolitana do Rio de Janeiro, abriga o bairro periférico Jardim Gramacho, responsável por comportar durante mais de três décadas o maior aterro sanitário da América Latina. Até 2012, data de sua desativação, o local recebeu mais de 7 mil toneladas de resíduos por dia e abrigou cerca de 1.800 catadores que trabalhavam no local. Hoje, possui livros no lugar do lixo.

Aberta em dezembro de 2018, a biblioteca pública e comunitária reúne cerca de 1.200 livros em uma casa de 41 metros quadrados no centro da comunidade. A iniciativa, chamada de Cantos de Leitura, tem o objetivo de proporcionar o contato dos moradores da comunidade com a literatura. Além de um catálogo amplo com os mais diversos gêneros da literatura brasileira e universal, no espaço também estão disponíveis mesas e cadeiras de leitura, ambientação lúdica e brinquedos educativos.

Tião Santos, presidente da Associação de Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho (ACAMJG), é quem está à frente do projeto. Em entrevista para o jornal O Globo, o ex-catador do lixão do Jardim Gramacho conta sobre a importância do projeto.

"Eu sou a segunda geração de catadores da minha família, aqui tem até a terceira. Não terei vergonha se minha filha quiser ser catadora, é uma profissão importante. Mas as pessoas têm que ter direito à escolha, ter alternativas. Nada muda sem educação. Dar acesso à educação é também dar acesso a sonhos", explica.

O projeto é realizado pela Rede Educare, patrocinado pela Ball Embalagens, fabricante de latas para bebidas e financiado por meio da Lei Rouanet, de Incentivo à Cultura. CEO da Rede Educare, Kátia Rocha comenta que o Cantos de Leitura busca estimular o prazer pelo ato de ler, promovendo também a autoestima das pessoas, pois muitos ali nunca tiveram livros em suas vidas. "O projeto permite, também, o acesso a um espaço onde podem ‘aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a conhecer’, seguindo os princípios ensinados por Jacques Delors”, destaca em entrevista para o portal Plurale.

 

Fontes: HypenessO GloboPlurale

 

Texto produzido em 24/01/2019

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados