Recicla Sampa - Mercados brasileiros vendem falso plástico biodegradável
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Mercados brasileiros vendem falso plástico biodegradável

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Materiais oferecidos ao público não atendem requisitos mínimos de biodegradabilidade. Foto: Arsenii Palivoda / shutterstock.com

Um estudo conduzido pelo Instituto do Mar (IMar-Unifesp) visitou 40 supermercados em São Paulo e no Rio de Janeiro e analisou os produtos supostamente feitos com plásticos biodegradáveis expostos à venda.

Ao todo, 49 produtos diferentes, incluindo sacolas, copos, pratos, talheres e utensílios de cozinha acabaram identificados. Eles eram, em média, 125% mais caros do que os fabricados em plásticos convencionais.

Mas a grande surpresa dos pesquisadores foi verificar que nenhum deles, mesmo os de marcas famosas, atendia aos requisitos mínimos para serem considerados realmente biodegradáveis.

O estudo teve como primeira autora a doutoranda Beatriz Barbosa Moreno, bolsista da FAPESP, sob orientação de Ítalo Castro, professor do Instituto do Mar. Os resultados foram publicados no conceituado periódico Sustainable Production and Consumption.

“Para ser considerado biodegradável, um produto, quando descartado no meio ambiente, deve-se converter em água [H2O], gás carbônico [CO2], metano [CH4] e biomassa em um intervalo de tempo relativamente curto. Não há consenso sobre que intervalo de tempo é esse. Mas a ideia geral é que varie de algumas semanas a um ano. Nenhum dos 49 itens que investigamos atendeu a esse requisito”, explica Castro.

Segundo o pesquisador, mais de 90% deles eram feitos com uma classe de materiais chamados de oxodegradáveis.

Apesar do nome, esses materiais não sofrem degradação em condições ambientais normais. São polímeros de origem fóssil aditivados com sais metálicos.

Os sais aceleram o processo de oxidação e fragmentação. Mas os fragmentos podem permanecer por décadas na natureza.

Além de não contribuir para a degradação, a fragmentação acelera a formação de microplásticos.

“Os plásticos oxodegradáveis já foram proibidos em vários locais do mundo, incluindo a União Europeia. Na maioria dos casos, as proibições ocorreram pela falta de evidências de biodegradabilidade em ambientes reais, associada ao risco de formação de microplásticos”, informa Castro.

Clique aqui e confira a reportagem de José Tadeu Arantes no site da FAPESP


Últimas

Notícias

Brasil pode alcançar 95% de energia renovável até 2026

Pesquisa coloca país na vanguarda mundial da transição energética

04/03/2024
Notícias

Dia Mundial dos Catadores de Lixo Reciclável celebra luta da categoria

Data promove reflexão sobre responsabilidade coletiva em dar dignidade aos trabalhadores

01/03/2024
Notícias

Cidades do futuro e os caminhos para um mundo sustentável

Demandas apontam para harmonia entre desenvolvimento urbano e preservação ambiental

29/02/2024
Notícias

Projeto de lei quer celulares com baterias removíveis e substituíveis

Regra evitaria que milhões de aparelhos sejam inutilizados e descartados precocemente

28/02/2024