Recicla Sampa - União Europeia proíbe comercialização de glitter e purpurina
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

União Europeia proíbe comercialização de glitter e purpurina

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Medida vai evitar impacto de meio milhão de toneladas de microplásticos nos ecossistemas. Foto: Kozhukhova / shutterstock.com

A Comissão Europeia proibiu no último mês de setembro a comercialização de glitter, purpurina e de outros produtos que sejam intencionalmente fabricados com microplásticos.

Segundo nota enviada à imprensa, a decisão foi tomada depois de pesquisas indicarem que a medida evitará o impacto ambiental de meio milhão de toneladas de resíduos nos ecossistemas do continente.

A instituição ainda explicou que a legislação não se aplica a outros mercados e os produtos que já estão em circulação não precisam ser recolhidos ou retirados imediatamente.

Vale destacar que a lei inclui outros itens, como brinquedos, produtos de limpeza e até medicamentos. Mas para cada um haverá um tempo específico de adaptação e tolerância.

A determinação inclui o pacto ecológico da UE, que pretende tornar a Europa o primeiro continente climaticamente neutro até 2050.

O objetivo do “Green Deal” europeu é dissociar o crescimento econômico da exploração sem limites dos recursos naturais.

Impacto ambiental do glitter

Basicamente, o glitter é fabricado em uma barra de alumínio, com uma carapaça de plástico.

Depois de passar por algumas etapas, o material é decomposto em micropartículas até chegar ao produto final.

E exatamente aí está problema. Por serem muito pequenos, esses grãos não são filtrados pelos sistemas de tratamento de esgoto e invariavelmente acabam nos rios e oceanos.   

Dessa forma, os microplásticos impactam toda a cadeia alimentar. Ou seja, são ingeridos por algas, plânctons, crustáceos, moluscos e peixes, e chegam aos nossos organismos pelo consumo de animais contaminados.

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, um estudo da Universidade Federal do Pará revelou que cerca de 98% dos peixes coletados em nascentes e rios amazônicos estavam contaminados por microplásticos.

Ao mesmo tempo, pesquisas recentes de diferentes e renomados institutos do mundo inteiro detectaram microplásticos no coração, nos pulmões e em outros órgãos do corpo humano.


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024