Recicla Sampa - Atrás de likes, russos confundem lixão tóxico com lago paradisíaco
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Atrás de likes, russos confundem lixão tóxico com lago paradisíaco

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Água azul cristalina é resultado de reação química entre substâncias nocivas. Foto: NSK / Instagram

Desde que um morador publicou em sua rede social uma imagem em um lago azul cristalino na cidade de Novosibirsk, localizada na fria Sibéria, russos de diferentes regiões do país têm ido até o local à procura da foto perfeita para publicarem no Instagram.

Recém-casados, banhistas com unicórnios infláveis coloridos nas águas e esportistas com stand up, a maioria dos instagrammers, nome atribuído aos produtores de conteúdo da rede social, que estão no manancial azul cristalino não sabem que esse reservatório não é, sequer, um lago.

Trata-se de uma barragem onde são lançados dejetos tóxicos de uma central termoelétrica, que abastece 1,6 milhão de habitantes da cidade de Novosibirsk. Entre esses resíduos estão cinzas de carvão queimado da empresa, o que torna o local um lixão de substâncias nocivas para a pele em apenas um mero contato com a água.

O azul-turquesa da água é resultado de uma reação química entre essas substâncias nocivas, o que também ocasiona um forte cheiro de detergente no reservatório. A Siberian Generating Company, central termoelétrica responsável pelo manancial, informou que já está advertindo a população sobre os riscos de saúde que o local pode oferecer. Além de reações alérgicas, um nadador despreparado corre risco de afogamento por conta do fundo pantanoso da barragem.

Pelo visto, as advertências não estão surtindo efeito. O blogueiro Stanislav Rajev declarou ao jornal local, o Siberian Times, que milhares de moradores do município e turistas de outras regiões do país vão até lá de carro, a cavalo ou de bicicleta, levando cervejas e carnes para churrasco. Um grupo foi além e criou uma página para o local nas redes sociais, a “Maldivas siberianas”, cujo perfil ganhou ilustrações, como óculos de sol, ilha e palmeiras.

Mesmo com chaminés em volta do lugar e cheiro forte de detergente na água, os instagrammers frequentam o local assiduamente. Embora a central termoelétrica negue que o manancial não está contaminado com radiação, a empresa decidiu fechar as estradas que levam ao lago e colocou um aviso curto e categórico: “Isto não é uma praia”.

Fonte: El País  

Texto produzido em 18/10/2019


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024