Carnaval de São Paulo gera 42 toneladas a menos de lixo em 2019 - Recicla Sampa
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Resíduos do Carnaval nas ruas de São Paulo. Foto: Recicla Sampa
Compartilhar - WhatsApp Compartilhar - Facebook Compartilhar - Twitter Compartilhar - Linkedin

Carnaval de São Paulo gera 42 toneladas a menos de lixo em 2019

21 de Marco de 2019,16h20

A festa paulistana, que entrou definitivamente no calendário dos maiores carnavais do país, cresce a cada ano e os números envolvendo a folia corroboram esse cenário. O setor hoteleiro, por exemplo, recebeu um aumento de 50% de turistas e o comércio teve alta de 60% em relação ao ano anterior.

Já os foliões gastaram 15% a mais do que em 2018 em adereços, fantasias, comidas e bebidas. Dentro desta lógica, um número maior de pessoas nas ruas representa um crescimento na geração de lixo, certo? Errado. A capital paulista inverteu esta lógica e reduziu a produção de resíduos em 42 toneladas neste ano.

Segundo o presidente da Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana) de São Paulo, Edson Tomaz Filho, o resultado é fruto de uma mudança no gerenciamento dos resíduos.

“Normalmente, todos os resíduos coletados durante as varrições na cidade eram encaminhados para os aterros sanitários. Neste ano, a dinâmica foi diferente e enviamos todos para serem triados e reciclados”, afirma.

Foto1
Materiais recicláveis na Cooperativa Tietê. Foto: Thiago Mucci

As 958 toneladas de resíduos produzidos no carnaval passado caíram para 916 toneladas neste ano. Além de ser uma ótima notícia do ponto de vista ambiental, o dado cumpre também um papel social importante. Isso porque, metade dos resíduos coletados em 2019, cerca de 458 toneladas, foi destinada para a coleta seletiva, o que permitiu gerar uma renda média de aproximadamente R$ 91,5 mil reais para cerca de mil famílias que atuam nas cooperativas.

Funcionária da Cooper Central Tietê, Lucia Oliveira, foi uma das beneficiadas com os materiais gerados pela coleta do Carnaval.

“Nessa data as ofertas de resíduos aumentam, principalmente as embalagens de alumínio que são mais caras na hora da venda”, explica a cooperada que usa a renda para sustentar os filhos. 

Para que os materiais chegassem às cooperativas de São Paulo, a Amlurb montou uma operação que envolveu cerca de 1.840 agentes de limpeza e uma frota de 214 veículos, entre caminhões, varredeiras mecanizadas, bicicletas e mototriciclos. Além disso, aproximadamente 3 mil lixeiras e 92 Pontos de Entregas Voluntárias (PEVs) foram disponibilizados aos foliões para a destinação dos resíduos.

Texto produzido em 14/03/2019

 

Ícone - Carta

Receba nosso conteúdo


Últimas

Notícias

Com alta reciclabilidade, cobre é um resíduo valioso

Furto de cabos de semáforos na cidade de SP subiu 47% no primeiro semestre de 2022

03/08/2022
Notícias

Saiba como descartar o lixo de forma correta

É muito fácil separar os diferentes tipos de resíduos e começar a reciclar

02/08/2022
Notícias

Comissão da Câmara debate reciclagem de carros velhos no Brasil

Apenas 1,5% do carros velhos são reciclados no país; na Europa, índice chega a 85%

01/08/2022
Notícias

Maior parte do plástico de delivery não é reciclada, revela estudo

Dados inéditos indicam aumento de 46% de plástico enviado nos pedidos

29/07/2022