Contra o plástico, irmãs de Curitiba fabricam canudos feitos de trigo

27/08/2020

Imagem - A ideia surgiu durante um passeio com a família. Foto: Tribuna do Paraná

A ideia surgiu durante um passeio com a família. Foto: Tribuna do Paraná

O canudinho já virou o vilão número um do meio ambiente e dos animais marinhos. Muitas cidades pelo mundo, incluindo São Paulo, já proibiram o uso do material. Diante disso, produtos alternativos e orgânicos estão surgindo nesse novo nicho econômico. 

Em Curitiba, onde um projeto de lei proíbe os canudinhos, duas irmãs tiveram a ideia de produzir canudos feitos de trigo. O incentivo para a produção veio de uma história afetuosa que o pai de Sara Blunk e Priscila Sanfelice contou às duas.

Era uma lembrança simples: seus avós usavam canudos do talo do trigo e quando eles acabavam, a avó falava que estava na hora de cortar mais canudinhos na plantação do quintal. “Pensamos que isso poderia ser uma solução para o planeta e começamos a matutar o projeto”, contaram a um jornal paranaense.

Por quase um ano, as duas pesquisaram onde encontrar em larga escala a matéria-prima para fabricar o produto. A tarefa foi árdua. Primeiro, foram a um dos moinhos mais tradicionais de Curitiba e lá descobriram que não contam com plantação própria, mas pegam o grão de uma outra empresa.

Depois, foram atrás das fábricas agrícolas e verificaram que elas também tinham seus próprios terceirizados para fornecer os grãos. Percorreram muitos lugares, até que acharam os possíveis parceiros e fundaram a empresa Talos Canudos.

Mesmo encontrando aliados para os negócios, as irmãs enfrentaram outra dificuldade: a plantação de trigo deles ocorre somente numa época de ano, então tiveram que buscar mais empresas. Depois de reunir um time de fornecedores que gostaram da ideia, conseguiram produzir canudos do talo do trigo, totalmente naturais e que podem voltar para a terra após o consumo.

“Eles servem de adubo para hortas, por exemplo”.

Hoje comercializados em larga escala, os canudinhos passam por um processo de esterilização com ozônio para matar qualquer possibilidade de bactérias. “O canudinho vem limpinho, seco e pronto para o consumo”, explica Priscila.

Diferentemente do canudo de papel, que fica mole devido ao uso, ou o de macarrão que não pode ser usado em bebidas quentes, os de talo de trigo ficam intactos em qualquer temperatura e não deixam gosto na bebida.

Fonte: Tribuna do Paraná

Texto produzido em 12/03/2020

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados