Recicla Sampa - Embrapa desenvolve plástico feito com maracujá e pimentão
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Embrapa desenvolve plástico feito com maracujá e pimentão

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Embalagem está em fase de produção piloto e busca parcerias para chegar à indústria alimentícia. Foto: Unsplash / Gabriel Ghnassia

De acordo com o relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), cerca de 40% a 50% de raízes, frutas e hortaliças produzidas para o consumo no mundo são desperdiçadas anualmente. Essa quantidade, conforme publicado no documento, seria suficiente para alimentar 2 bilhões de pessoas. Pensando nisso, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), pioneira na elaboração de soluções tecnológicas contra o desperdício de comida, criou uma embalagem comestível, utilizando componentes como maracujá e pimentão.

A inovação é resultando de décadas de pesquisas feitas no Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA). Inicialmente, o estudo utilizava apenas a polpa de frutas, mas agora já alcançou uma etapa onde até as cascas são reaproveitadas.

“A proposta é o reaproveitamento de frutas e hortaliças, em formato de película, para servir como alimento e aumentar o tempo de vida desses produtos em até dois anos”, declarou o chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Instrumentação, José Manoel Marconcini, ao site da corporação.

Para a confecção dos plásticos sustentáveis, as sobras são transformadas em purês, nos quais são adicionadas substâncias para criarem rigidez e ganharem um aspecto parecido com os convencionais filmes plásticos. E por ser fabricado com alimentos, o produto é totalmente comestível. Segundo Marconcini, em entrevista ao programa Brasil Rural, da Rádio EBC, a invenção pode ser utilizada como um embrulho interno ou sacolas de uso rápido. O material, porém, ainda não é resistente à água.

Durante a conversa, José Manoel garantiu que o item desaparece completamente do ambiente em 60 dias. No momento, a embalagem está em fase de produção piloto e busca de parcerias para chegar à indústria alimentícia.

Fontes: Embrapa, Rádio EBC

Texto produzido em 20/08/2019


Últimas

Notícias

São Paulo lança programa para melhorar gestão de resíduos

Projeto busca modernizar infraestrutura de tratamento e destinação do lixo no estado

17/06/2024
Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024