Estudantes de vários países se unem contra mudanças climáticas

20/03/2019

Imagem - Pare de negar que a terra está morrendo. Foto: Jonathan Kemper/Unsplash

Pare de negar que a terra está morrendo. Foto: Jonathan Kemper/Unsplash

Jovens manifestantes de mais de cem países saem às ruas nesta sexta-feira, 15, para o Fridays for Future (Greve pelo Futuro), movimento que reivindica medidas concretas por parte dos governos para conter o aquecimento global. Dezenove cidades brasileiras participam das manifestações, segundo a organização. No estado de São Paulo, o ato acontecerá na capital, em Santos, Jundiaí, Peruíbe, Bragança Paulista e Águas da Prata.

Na capital paulista, a manifestação acontece em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Diego Gazola, um dos mobilizadores do ato, defende a necessidade do evento. "Eu tinha que trabalhar, mas estarei lá porque quero ser a mudança que desejo para o planeta", afirma em entrevista para o DW Brasil.

À frente do movimento global está a adolescente sueca Greta Thunberg, que desde agosto de 2018 passou a faltar às aulas toda sexta-feira para protestar pelo clima e pelo futuro do planeta. Propositalmente, a jovem senta em uma praça em frente ao Parlamento da Suécia para pressionar o governo a cumprir o Acordo de Paris, tratado mundial para reduzir a emissão de gases de efeito estufa.

Indicada por três políticos noruegueses ao Nobel da Paz por causa de sua atuação na agenda ambiental, a garota de apenas 16 anos conquistou o apoio de estudantes de diferentes locais do mundo e de mais de 12 mil cientistas que se posicionaram publicamente a favor das manifestações. Em entrevista ao portal de notícias G1, a jovem alerta: "Vivemos uma crise existencial ignorada durante décadas. Se não agirmos agora, será muito tarde".

Fontes: DW BrasilG1

Texto produzido em 15/03/2019

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados