Estudo aponta petroquímicas como vilãs do plástico de uso único

18/05/2021

Imagem - petroquímica em funcionamento. Foto: liufuyu / Envato

petroquímica em funcionamento. Foto: liufuyu / Envato

Apenas 20 empresas são responsáveis pela produção de mais da metade de todos os itens plásticos de uso único descartados globalmente. Essa é a conclusão de uma pesquisa realizada por um consórcio capitaneado pela Fundação Minderoo da Austrália, com apoio da London School of Economics, que detectou quais as organizações lideram a cadeia da produção em polímeros no mundo.  

O estudo analisou cerca de mil indústrias que produzem as matérias-primas necessárias para a fabricação deste tipo de embalagem e citou 20 empresas petroquímicas, fonte de 55% dos resíduos. A lista inclui nomes como ExxonMobil, Dow e Sinopec.

De acordo com o ONU, metade do plástico consumido atualmente é considerado de uso único e seu problema ambiental está relacionado ao curto período de uso, ao longo tempo de degradação no meio ambiente e, sobretudo, ao descarte e destinação inadequados.

Garrafas de plástico, embalagens de frutas e alimentos em geral, além das sacolas de supermercado, estão entre os bilhões de itens que são usados ​​uma única vez e depois jogados fora, muitas vezes indo parar nos oceanos.

De acordo com o diretor financeiro e de transparência da Minderoo, Dominic Charles, a pesquisa destaca como o futuro da crise dos resíduos plásticos está nas mãos de apenas 20 empresas.

"É um dado extraordinário que pode influenciar as agências reguladoras a pressionar essas empresas para que deixem de lado os combustíveis fósseis e passem a buscar processos ambientalmente responsáveis", diz Dominic.

O executivo acrescenta que até agora boa parte dos esforços para reduzir a poluição por plástico passa à margem do mercado e está concentrada nas escolhas individuais dos consumidores. “Precisamos ir atrás das principais fontes de plástico de uso único e fechar essa torneira. É preciso criar plásticos a partir de material reciclado”, afirma.

Já o professor Sam Fankhauser, especialista em economia e mudanças climáticas na Universidade de Oxford e na London School of Economics, diz que a única saída para esse tipo de crise é a adoção de alternativas de economia circular pelas grandes empresas petroquímicas.

"Os benefícios oferecidos serão transformadores e extremamente benéficos, não apenas para o meio ambiente e para os ecossistemas, mas também para as comunidades que vivem e sofrem cotidianamente com a poluição do plástico”, opina Sam.

O relatório conclui que a produção de plástico deve se expandir em 30% nos próximos cinco anos, aumentando as emissões de carbono e criando resíduos de diferentes tipos.

Talheres plásticos de uso único. Foto: duskbabe / Envato

VOCÊ PODE AJUDAR!

O seu papel é fundamental para a redução do uso do plástico ou para seu reaproveitamento. Uma primeira dica é verificar se a produção do que você anda usando em casa é feita com plástico reciclável. Para isso, basta procurar o símbolo da reciclagem nas embalagens.

São aquelas setinhas que apontam uma para outra em formato triangular. A segunda dica é separar o lixo em dois: comum e reciclável.

Assim, você garante que os resíduos plásticos sejam encaminhados para uma Central Mecanizada de Triagem ou para uma cooperativa de catadores de lixo reciclável.

Caso você ainda não pratique a coleta seletiva, aí estão algumas dicas para começar! Faça sua parte!

  • Tenha duas lixeiras em casa para separar o lixo comum do reciclável, isso facilita o processo.
  • Higienize suas embalagens antes de descartá-las para a coleta, o importante é utilizar água de reuso ou guardanapos sujos no procedimento.
  • Fique atento aos dias e horários que o caminhão da coleta seletiva passa na sua residência, não misture os sacos do comum com os recicláveis.
  • Coloque o lixo para coleta com poucas horas de antecedência, assim, ele não corre o risco de ser levado pela chuva, entupindo bueiros e causando enchentes.

Texto produzido em 18/05/2021

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados