National Geographic recria sons do oceano utilizando plásticos

06/08/2019

Imagem - Ao final da gravação, é explicado para o ouvinte qual resíduo foi usado para compor a música. Foto: National Geographic

Ao final da gravação, é explicado para o ouvinte qual resíduo foi usado para compor a música. Foto: National Geographic

A questão da poluição dos oceanos pelo plástico é um tema que vem sendo discutido incansavelmente por ativistas e instituições que buscam alternativas para conscientizar o mundo sobre o problema. O material, que demora mais de 400 anos para se decompor é o principal vilão das espécies marinhas, que morrem por ingerirem esses resíduos em grande quantidade.

Buscando a conscientização da população e a redução do volume desses materiais descartados de forma inadequada nos oceanos, a National Geographic aproveitou o Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, para lançar o álbum intitulado “Sons do Futuro Oceano”. São quatro faixas que reproduzem sons da natureza e utilizam plásticos retirados do mar.

Em cada gravação é apresentado um ecossistema afetado pelo plástico, como praias, mares, oceanos e geleiras através de uma técnica muito utilizada no cinema chamada ‘Foley’, popularmente conhecida como sonoplastia. Após a reprodução, há uma mensagem explicando para o ouvinte qual resíduo foi utilizado para a composição da “música”, com o objetivo de engajar as pessoas a se comprometerem na redução do uso do plástico.

Para a realização do projeto, uma continuidade da campanha ‘Planet or Plastic’?, que busca a redução da dependência global pelo uso do material, o veículo se juntou à produtora Bandeira8 e a ONG “Mar Limpo” no Brasil. O álbum está disponível em todas as plataformas de streaming de música. Confira aqui.

 

Fontes: Razões Para Acreditar,GQ Brasil,National Geographic Brasil

 

Texto produzido em 26/07/2019

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados