Recicla Sampa - Por que reciclar o óleo de cozinha
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Por que reciclar o óleo de cozinha

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Foto: Ben Bryant/shutterstock.com

O óleo de cozinha é muito utilizado em restaurantes, bares e até mesmo nas nossas casas. Porém, infelizmente, há ainda muitas pessoas que despejam o óleo usado na pia ou até mesmo no vaso sanitário. O que talvez elas não saibam é que a reciclagem de óleo de cozinha é totalmente possível de ser feita e deve ser incentivada entre amigos, colegas e família.

O óleo pode contaminar rios, mares e represas, acabando com a vida de diversas espécies aquáticas. Um exemplo? O fitoplâncton (conjunto de organismos aquáticos microscópicos que têm capacidade fotossintética e vivem em rios e mares), que depende da luz para se desenvolver e sobreviver. Como o óleo é menos denso que a água, fica parado na superfície da água, impedindo a entrada de luz e oxigênio.

Caso vá parar no solo, o óleo o impermeabiliza, o que pode causar enchentes e alagamentos quando chegam as chuvas. Por fim, quando se decompõe, o óleo de cozinha libera gás metano, que é altamente poluente e aumenta a temperatura e o clima do planeta, contribuindo com o efeito estufa.

Para se ter ideia do dano, é necessário apenas 1 litro de óleo para contaminar 20 mil litros de água, de acordo com dados da Sabesp. 

E tem mais: ao ser descartado incorretamente, o óleo vai direto para a rede de esgoto, e, caso esta não tenha um tratamento adequado, pode causar entupimento dos canos. Para desentupir o encanamento é necessário o uso de produtos químicos poluentes, gerando ainda mais danos ambientais e gastos econômicos.

Uma vez no esgoto, o óleo de cozinha usado chega às Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs), é separado da água e tratado. Dessa forma, a água pode ser novamente despejada nos rios e lagos. Esse tratamento nas ETEs, porém, é realizado apenas com aproximadamente 68% do esgoto, ou seja, o óleo acaba chegando aos mananciais aquáticos de qualquer forma. Além disso, os gastos com esse processo são altos: cerca de 20% do custo com o tratamento do esgoto.

Como e onde reciclar óleo de cozinha?

Caso cozinhe apenas em casa e deseje ajudar com a reciclagem de óleo de cozinha, você deve esperar o óleo utilizado esfriar para depois despejá-lo em uma garrafa PET.

Depois, basta levar as garrafas PET com óleo em algum ponto de coleta seletiva realizada por empresas ou organizações não governamentais (ONGs) especializadas. Para consultar o mais próximo à sua casa ou trabalho, basta clicar aqui.

Caso seja dono de um restaurante ou lanchonete, algumas empresas instalam, gratuitamente, “bombonas” para que o óleo seja depositado ali e, depois, recolhem o resíduo de acordo com um cronograma definido com o responsável pelos reservatórios. Uma delas é a Preserva, de São Paulo. Chegando às empresas de reciclagem, o óleo será transformado em sabão, detergente e até biodiesel.

De óleo de cozinha a biodiesel

Quando chega à usina, o óleo é filtrado com o auxílio de uma peneira grossa para a retirada de resíduos sólidos. Estes resíduos são vendidos para terceiros, como a indústria de ração animal, para reaproveitamento.

O óleo passa, então, por um processo de decantação, por meio do qual são eliminados a gordura e a água. Por fim, o produto é purificado em um filtro especial, de onde sai com menos de 3% de umidade e menos de 3% de acidez. O resultado é uma matéria-prima de elevado grau de pureza, insumo ideal para empresas produtoras de biodiesel, de acordo com a Preserva.

Método alternativo

Algumas empresas transformam o óleo de cozinha em biodiesel por meio de um processo chamado transesterificação, que é a reação de gorduras e óleos com um álcool por meio de um catalisador. Daí, surgem o biodiesel e a glicerina, que são separados.

Sabão de óleo de cozinha

Foto1
Sabão feito com óleo reciclado. Foto: AlexeiLogvinovich/shutterstock.com

Você provavelmente já ouviu dizer que o óleo de cozinha pode ser reciclado para virar sabão. E é verdade, já que, depois de purificado nas usinas, ele vira tanto biodiesel quanto glicerina.

Caso deseje economizar – ou até mesmo ganhar dinheiro – produzindo sabão, além de ajudar o meio ambiente, veja abaixo o passo a passo de uma receita caseira:

Ingredientes

Material necessário

Equipamentos de proteção (indispensáveis)

Passo a passo

1. Antes de tudo, coloque o equipamento de proteção. Então, filtre o óleo para retirar eventuais impurezas sólidas, como restos de comida (isto pode ser feito com uma peneira).

2. Aqueça, separadamente, a água e o óleo a 40°C. Em um ambiente externo bem arejado (extremamente importante!), despeje a água a 40° C e depois a soda cáustica em um recipiente de vidro. Siga esta ordem corretamente.

3. No balde, coloque o óleo a 40°C. Aos poucos, adicione a mistura de água e soda cáustica.


4. Mexa bem com uma colher de pau, sem parar, durante 20 minutos (ou com um mixer por 5 minutos).

5. Caso a mistura não endureça, adicione aos poucos o álcool 70° (no máximo 25ml). Desta forma, o sabão irá endurecer bem rápido.

6. Se desejar um sabão com perfume agradável, adicione aos poucos o óleo essencial.

7. Transfira o sabão para os potes.

8. Deixe o sabão descansando – fora do alcance de crianças e animais – em local seco, arejado e à sombra por 20 a 40 dias. Isso garante que os resquícios da soda cáustica sejam totalmente eliminados.

Receita retirada deste post.


Últimas

Notícias

Plataforma inclusiva busca impulsionar reciclagem no Brasil

Reciclar pelo Brasil atua com foco na regularização e profissionalização de cooperativas

28/05/2024
Notícias

Catadores se mobilizam pela reciclagem de papel no Brasil

Representantes da indústria e do governo federal receberam entidades do setor em Brasília

27/05/2024
Notícias

Coopercaps e colégio Portinari promovem coleta de lixo eletrônico

Urnas serão instaladas na próxima quarta-feira na instituição de ensino da zona sul

24/05/2024
Notícias

Enchentes devem gerar 47 milhões de toneladas de lixo no RS

Estimativas indicam cerca de 19 milhões de toneladas de escombros de casas e edifícios

23/05/2024