Saiba como funcionam as cooperativas de reciclagem - Recicla Sampa
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Compartilhar - WhatsApp Compartilhar - Facebook Compartilhar - Twitter Compartilhar - Linkedin

Saiba como funcionam as cooperativas de reciclagem

13 de Janeiro de 2022,18h00

Foto1
Cooperativa Rainha da Sucata. Foto: @role_sp

A população brasileira produz mais de 78 milhões de toneladas de resíduos sólidos todos os anos e uma parcela considerável de todo esse lixo poderia ser reciclada. Mas segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelpe), apesar de termos infraestrutura para reciclar pelo menos 30% desses resíduos, apenas 4% são descartados corretamente e reaproveitados.

De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento (SNIS), existem 1.153 cooperativas de resíduos sólidos devidamente registradas no país, que foram responsáveis pela coleta de 30,7% dos resíduos sólidos recolhidos em 2018, ano do último levantamento.

Esses espaços também são responsáveis por gerar emprego e renda para milhares de trabalhadores brasileiros. Portanto, ao separar corretamente o lixo reciclável você não faz apenas sua parte pelo meio ambiente, mas garante dignidade para pessoas em condições de vulnerabilidade social.

Foto1
Fardo de plásticos na cooperativa Associação vinte e oito. Foto: @role_sp

Como funcionam as cooperativas


Ao ser descartado corretamente e coletado pelos caminhões ou pelos agentes ambientais, o lixo reciclável é encaminhado às Centrais Mecanizadas de Triagem ou às esteiras das cooperativas de reciclagem, onde o trabalho é feito de forma manual.

Aqui na capital de São Paulo, as duas Centrais Mecanizadas de Triagem, gerenciadas pela Loga e pela EcoUrbis, concessionárias de coleta da cidade, contam com mão de obra de cooperados devidamente cadastrados pela Prefeitura.  

Nesses espaços, o lixo reciclável é separado em suas diferentes categorias: plástico, vidro, papel colorido, papel branco, papelão, jornais, entre outros. O processo de separação é complexo e é preciso atenção redobrada e equipamentos adequados para evitar acidentes.

Feito esse procedimento, os sacos com cada tipo de resíduo vão para a fase de prensagem, onde uma máquina compacta os materiais para facilitar o transporte.

A última etapa é a venda às empresas especializadas, onde o lixo reciclável será transformado em matéria-prima e reinserido no contexto da Economia Circular, onde os produtos de hoje se transformam nos recursos de amanhã.

Importante destacar que o conceito de cooperativismo não tem finalidade lucrativa. Todo o lucro é distribuído igualmente entre os associados.

“O objetivo é social, é empregar cada vez mais pessoas e impactar positivamente a economia da região”, explica Telines Basílio, mais conhecido pelo apelido de Carioca, fundador da Coopercaps, referência em coleta e gestão de resíduos sólidos no Brasil.

Texto produzido em 13/1/2022

Ícone - Carta

Receba nosso conteúdo


Últimas

Notícias

Com alta reciclabilidade, cobre é um resíduo valioso

Furto de cabos de semáforos na cidade de SP subiu 47% no primeiro semestre de 2022

03/08/2022
Notícias

Saiba como descartar o lixo de forma correta

É muito fácil separar os diferentes tipos de resíduos e começar a reciclar

02/08/2022
Notícias

Comissão da Câmara debate reciclagem de carros velhos no Brasil

Apenas 1,5% do carros velhos são reciclados no país; na Europa, índice chega a 85%

01/08/2022
Notícias

Maior parte do plástico de delivery não é reciclada, revela estudo

Dados inéditos indicam aumento de 46% de plástico enviado nos pedidos

29/07/2022