São Paulo assina decreto contra desperdício de alimentos

22/07/2019

Imagem - Iniciativa coletará em feiras livres e supermercados alimentos que estão em boas condições de consumo para serem doados. Foto: Deborah Breen / Pixabay

Iniciativa coletará em feiras livres e supermercados alimentos que estão em boas condições de consumo para serem doados. Foto: Deborah Breen / Pixabay

Dados do relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estimam que um terço da produção alimentar em todo o mundo é perdido em alguma etapa da cadeia ou desperdiçado em restaurantes e residências. Tendo como desafio reduzir o desperdício de alimentos, a cidade de São Paulo assinou no dia 18 de julho de 2019 um decreto que institui o Programa Municipal de Combate ao Desperdício e à Perda de Alimentos.

Promovida pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (SMDET), a iniciativa coleta em feiras livres e supermercados alimentos que estão em boas condições de consumo para serem doados. O objetivo é que frutas, verduras e legumes que antes seriam destinados aos aterros sanitário sejam agora reaproveitados por mais de 300 entidades assistenciais cadastradas no Programa de Banco de Alimentos da prefeitura.

Atualmente, o programa funciona em dois mercados municipais e sete feiras livres e já alcançou a marca de 110 toneladas de alimentos doados. Além disso, o projeto viabiliza emprego para cerca de 39 benificiários do Programa Operação Trabalho (POT), que ficam responsáveis pela coleta, transporte e triagem dos alimentos doados. 

Com o decreto, a estimativa é de expansão do projeto para toda a cidade e um crescimento no número de trabalhadores para 200.

“A meta é que, até o fim do ano, a gente leve esse programa a, pelo menos, cem feiras da cidade. Isso vai permitir uma ajuda muito maior à população em situação de vulnerabilidade”, disse o prefeito Bruno Covas.

Para estimular a participação de estabelecimentos e feirantes no projeto, a SMDET criou o selo Combate ao Desperdício para os que participarem da ação. Segundo Aline Cardoso, secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, a iniciativa é uma maneira de estímulo para que as pessoas tenham a mesma postura dentro de suas casas. "Pretendemos ampliar o uso de alimentos, eliminando o desperdício e diminuindo a produção de lixo orgânico na cidade", explicou.

Gestão de resíduos orgânicos

Durante o evento, também foi anunciada uma ampliação na parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho e a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), responsável por gerenciar a coleta de resíduos na capital. O acordo irá incluir o programa Feiras e Jardins Sustentáveis, que hoje destina resíduos orgânicos de 170 feiras aos pátios de compostagem, ao Programa de Combate ao Desperdício.

Dessa maneira, os alimentos que forem coletados mas não estiverem aptos para o consumo serão transformados em adubo de qualidade. De acordo com o presidente da Amlurb, Edson Tomaz de Lima, o programa Feiras e Jardins Sustentáveis já desviou mais de 9 mil toneladas de resíduos orgânicos dos aterros.

“A cidade de São Paulo conta com cinco pátios de compostagem e a previsão é que até 2020 sejam inauguradas mais 17 unidades”, explicou.

 

Fontes: Prefeitura de São Paulo, Metro Jornal

 

Texto produzido em 19/07/2019

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados