5 razões para usar bioglitter nesse Carnaval

17/02/2020

Imagem - Feito com produtos naturais, item pode demorar cerca de 30 dias para se decompor na natureza. Foto: Santa Mana / Instagram

Feito com produtos naturais, item pode demorar cerca de 30 dias para se decompor na natureza. Foto: Santa Mana / Instagram

O glitter é uma forte tendência entre os foliões de bloquinhos ou de escolas de samba. Brilhando no rosto, no corpo ou nos cabelos, essas micropartículas deixam a festa bonita, mas são prejudiciais ao meio ambiente, pois são consideradas microplásticos. Mas não desanime: há uma versão ecológica do produto que tem se mostrado uma ótima escolha. Listamos 5 motivos para você não ter dúvidas e investir no bioglitter:

Glitter comum é plástico

Independentemente do tamanho, como todo plástico, ele levará cerca de 400 anos para se decompor. Ao contrário da versão ecológica que, em sua maioria é feita com produtos naturais.

Bioglitter se decompõe mais rápido

Segundo Cíntia Naomi, uma das criadoras da marca de bioglitter Santa Mana.br, o produto leva cerca de 3 minutos para se decompor em água corrente e aproximadamente 30 dias na natureza.

Evita micropartículas no oceano

De acordo com uma pesquisa da Fundação Ellen MacArthur, haverá mais plástico do que peixes nas águas se o consumo desenfreado não parar. O glitter que entra nos ralos das pias e chuveiros depois da festa tem possibilidades de chegar nos mares e contribui para esse cenário. Não queremos mais plástico no mar, né?  

Ajuda a economia local

“Quase 99% dos glitters comuns para o carnaval são importados da China”, conta Cíntia.

Então, adquirindo um produto da sua cidade você incentiva a economia local. A marca da empresária, por exemplo, fica em um atelier no bairro do Paraíso, em São Paulo, e emprega 12 mulheres na produção. “Além do mais, consumindo algo regional, você diminui sua pegada ecológica no planeta”, conta.

Brilha sem machucar

Os glitters comuns são duros e podem arranhar o corpo. Já os biodegradáveis são feitos com componentes naturais, como a mica, que é aderente na pele e proporciona uma sensação de maior suavidade e durabilidade.

Usei glitter comum, e agora?

Em uma festa como essa, é comum que outros foliões levem glitter na bolsa para maquiar ou enfeitar outras pessoas.  Então, caso você use ou esteja com o produto convencional sem querer, Cíntia indica colocar um filtro de café no ralo na hora de tomar banho. Dessa forma, será possível reter as micropartículas e não deixar que elas sigam para o esgoto. “Depois é só descartar corretamente”, indica.

Onde encontrar Bioglitter:

Santa Mana.br

Uma marca paulistana feita por uma empresa “eco feminista” composta por 12 mulheres em um atelier movido a energia solar. Gostou? Dá para comprar pela internet. Acesse aqui.

Glitter Glitter Co.

Depois de pesquisar bastante sobre recursos que vêm da natureza e que voltam para ela com pouco ou nenhum impacto, a marca de São Paulo encontrou uma fórmula secreta e colocaram à disposição para vendas. Com sete cores e dispostos em uma embalagem sustentável, também dá para comprar pela internet. Acesse aqui.

Superfluous

Loja com conceito slow fashion com sede em São Paulo, todos os produtos são feitos à base de algas e minerais. As cores disponíveis são pó de unicórnio (mix bem colorido), turquesa, ouro velho e grafite.

Shock

A marca carioca é focada em cosméticos veganos e possui uma linha de glitter em gel, que é feito com mica. Dá para comprar online.

Texto produzido em 14/02/2020

Tags: matérias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados