Bikeboys realizam entregas e reduzem o impacto ao meio ambiente

10/05/2019

Imagem - Entregador de comida utilizando bicicleta. Foto: Kai Pilger / Unsplash

Entregador de comida utilizando bicicleta. Foto: Kai Pilger / Unsplash

Alguns empreendedores de grandes cidades têm enxergado na sustentabilidade uma oportunidade de novos negócios. É o caso dos “bikeboys”, profissionais que fazem entregas com bicicleta.

Já há empresas trocando os tradicionais motoboys por esses “entregadores com pedais”. O preço de uma entrega é semelhante à de um motoboy, mas com algumas vantagens, como a garantia de não poluir o meio ambiente, com a redução da emissão de CO2 (gás carbônico) de carro e motos, e maior facilidade em estacionar o veículo.

Quanto à velocidade e agilidade, questionamento feito por alguns clientes a essas agências de bike, os ciclistas garantem que conseguem ser tão ou mais eficientes que os tradicionais motoboys em caminhos mais curtos e planos. Sem falar que a empresa que contrata os serviços dos “bikeboys” acaba se comprometendo com a preservação do meio ambiente e a menor geração de poluentes.

“Às vezes, começamos com quatro bikes e uma scooter (elétrica). Depois de uns meses, tiramos a scooter, e o cliente nem sente falta”, diz Leonardo Lorentz, sócio da agência Carbono Zero Courier.

A empresa, que estreou em 2010 com apenas dois ciclistas e trabalhando no centro paulistano, cresceu e investiu na infraestrutura. Hoje está com 204 profissionais e mais de 70 mil entregas por mês na Grande São Paulo e na Baixada Santista.

Conta com bicicletas elétricas e outras com compartimentos que transportam até 95 quilos de carga. Também possuem scooters e furgões elétricos. Em 2018, o faturamento da empresa deve chegar a R$ 3 milhões. Quanto à base de entregadores, 40% são funcionários fixos e os outros 60% dos ciclistas prestam serviço em suas próprias bikes.

“A empresa sou eu”. A É Pra Jah foi fundada há três meses pelo economista André Beck. Ele se relaciona com os clientes, faz a gestão da empresa e pedala. Atualmente, ele entrega frutas pela manhã, comida na hora do almoço e outros serviços avulsos. Sua ambição é crescer aos poucos, ao mesmo tempo em que pretende manter a eficiência. “É um negócio que tem muito potencial, mas sei que não vou virar nenhum Bill Gates fazendo entregas de bicicletas”. 

É um nicho que surge no mercado e chama a atenção de novos empreendedores, mas é preciso colocar os riscos na ponta do lápis e planejar. “Tem que conhecer os concorrentes, o que fazem, quais as forças e fraquezas e do que os clientes precisam”, orienta o empreendedor.

Fonte: Folha de S.Paulo

 

Notícia produzida em 12/11/2018

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados