Recicla Sampa - Entenda por que maioria das roupas ainda não é reciclada
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Entenda por que maioria das roupas ainda não é reciclada

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Reciclagem de roupas é possível, mas composição das peças impede reciclabilidade. Foto: smirart / shutterstock.com

Pesquisas indicam que aproximadamente 100 bilhões de itens de vestuário são produzidos globalmente todos os anos e mais de 60% dessas roupas acabam no lixo em no máximo 12 meses.

Para se ter uma noção do impacto do fast fashion, de todo esse volume, apenas 1% é reciclado e transformado em novas peças.

De acordo com a ONU, a indústria da moda é responsável por até 10% das emissões globais de gases do efeito estufa na atmosfera.

Até 2030, as estimativas são de 134 milhões de toneladas de resíduos têxteis descartados a cada ano.

E embora iniciativas de caridade, bancos de coleta de tecidos e programas de logística reversa de varejistas ajudem a circularidade do setor, a capacidade de reciclar roupas - no mundo todo - ainda é muito limitada.

Mas por que reciclar roupas é tão difícil?

Mais do que simplesmente comercial, a questão da reciclagem de roupas é técnica, e o principal problema é a composição das peças.  

A maioria dos itens é fabricada em uma mistura de tecidos, sendo o poliéster predominante, respondendo por 54% da produção global total de fibras.

O algodão vem em segundo lugar, com uma participação de mercado de aproximadamente 22%. Os dados são da ONG Textile Exchange global.  

A razão para a prevalência do poliéster é o baixo custo das fibras sintéticas com origem fóssil. O quilo custa metade do cobrado pelo algodão, fato que faz dele o preferido do fast fashion.

E apesar da indústria de plásticos já ser capaz de decompor o poliéster em seu estado mais puro (PET), a natureza mista dos resíduos têxteis tornou desafiador reciclar uma fibra sem degradar a outra.

Ou seja, não há reciclabilidade em escala mundial para o tipo de tecido mais utilizado pelo setor têxtil.

“O atual modelo do mercado de moda usa grandes volumes de recursos não renováveis em seus processos de produção, incluindo petróleo, pressiona a extração de recursos valiosos, degrada os ecossistemas, cria impactos sociais em escala global”, lamenta Chetna Prajapati, que estuda maneiras de fazer têxteis sustentáveis ​​na Universidade de Loughborough, Reino Unido.

Então o que fazer?

Já existem algumas iniciativas bem promissoras no mundo, mas todas ainda dão os primeiros passos. No momento, o que podemos fazer é repensar nossos hábitos de consumo e recusar a todo custo produtos do fast fashion.

Sabemos que muitas vezes a questão do preço fala mais alto e que parte da população escolhe esses itens não por opção, mas por falta de recursos para comprar roupas mais caras e duráveis.

Mas se não for esse o seu caso, repense e recuse!

Vale sempre lembrar que roupas descartadas no lixo reciclável acabam sempre nos aterros sanitários.

Portanto, se não der para doar ou para reutilizar de alguma forma, que é o ideal, encontre um ponto de coleta específico.

Clique aqui e conheça iniciativas para o descarte de tecidos na cidade de São Paulo


Últimas

Notícias

Dia Mundial dos Catadores de Lixo Reciclável celebra luta da categoria

Data promove reflexão sobre responsabilidade coletiva em dar dignidade aos trabalhadores

01/03/2024
Notícias

Cidades do futuro e os caminhos para um mundo sustentável

Demandas apontam para harmonia entre desenvolvimento urbano e preservação ambiental

29/02/2024
Notícias

Projeto de lei quer celulares com baterias removíveis e substituíveis

Regra evitaria que milhões de aparelhos sejam inutilizados e descartados precocemente

28/02/2024
Dicas de Reciclagem

Como a reciclagem do lixo ajuda o meio ambiente

Entenda por que separar corretamente o lixo reciclável contribui para um mundo sustentável

27/02/2024