Recicla Sampa - Entenda por que maioria das roupas ainda não é reciclada
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Entenda por que maioria das roupas ainda não é reciclada

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Reciclagem de roupas é possível, mas composição das peças impede reciclabilidade. Foto: smirart / shutterstock.com

Pesquisas indicam que aproximadamente 100 bilhões de itens de vestuário são produzidos globalmente todos os anos e mais de 60% dessas roupas acabam no lixo em no máximo 12 meses.

Para se ter uma noção do impacto do fast fashion, de todo esse volume, apenas 1% é reciclado e transformado em novas peças.

De acordo com a ONU, a indústria da moda é responsável por até 10% das emissões globais de gases do efeito estufa na atmosfera.

Até 2030, as estimativas são de 134 milhões de toneladas de resíduos têxteis descartados a cada ano.

E embora iniciativas de caridade, bancos de coleta de tecidos e programas de logística reversa de varejistas ajudem a circularidade do setor, a capacidade de reciclar roupas - no mundo todo - ainda é muito limitada.

Mas por que reciclar roupas é tão difícil?

Mais do que simplesmente comercial, a questão da reciclagem de roupas é técnica, e o principal problema é a composição das peças.  

A maioria dos itens é fabricada em uma mistura de tecidos, sendo o poliéster predominante, respondendo por 54% da produção global total de fibras.

O algodão vem em segundo lugar, com uma participação de mercado de aproximadamente 22%. Os dados são da ONG Textile Exchange global.  

A razão para a prevalência do poliéster é o baixo custo das fibras sintéticas com origem fóssil. O quilo custa metade do cobrado pelo algodão, fato que faz dele o preferido do fast fashion.

E apesar da indústria de plásticos já ser capaz de decompor o poliéster em seu estado mais puro (PET), a natureza mista dos resíduos têxteis tornou desafiador reciclar uma fibra sem degradar a outra.

Ou seja, não há reciclabilidade em escala mundial para o tipo de tecido mais utilizado pelo setor têxtil.

“O atual modelo do mercado de moda usa grandes volumes de recursos não renováveis em seus processos de produção, incluindo petróleo, pressiona a extração de recursos valiosos, degrada os ecossistemas, cria impactos sociais em escala global”, lamenta Chetna Prajapati, que estuda maneiras de fazer têxteis sustentáveis ​​na Universidade de Loughborough, Reino Unido.

Então o que fazer?

Já existem algumas iniciativas bem promissoras no mundo, mas todas ainda dão os primeiros passos. No momento, o que podemos fazer é repensar nossos hábitos de consumo e recusar a todo custo produtos do fast fashion.

Sabemos que muitas vezes a questão do preço fala mais alto e que parte da população escolhe esses itens não por opção, mas por falta de recursos para comprar roupas mais caras e duráveis.

Mas se não for esse o seu caso, repense e recuse!

Vale sempre lembrar que roupas descartadas no lixo reciclável acabam sempre nos aterros sanitários.

Portanto, se não der para doar ou para reutilizar de alguma forma, que é o ideal, encontre um ponto de coleta específico.

Clique aqui e conheça iniciativas para o descarte de tecidos na cidade de São Paulo


Últimas

Dicas de Reciclagem

Brasil produz 2,4 milhões de toneladas de eletrolixo por ano

Entenda o que é saiba onde descartar lixo eletrônico na cidade de São Paulo

18/06/2024
Notícias

São Paulo lança programa para melhorar gestão de resíduos

Projeto busca modernizar infraestrutura de tratamento e destinação do lixo no estado

17/06/2024
Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024