Recicla Sampa - Movimento emprega detentas e produz com matéria prima reciclada
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Movimento emprega detentas e produz com matéria prima reciclada

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Eu Me Visto Bem transforma a vida das pessoas com oportunidades de emprego. Foto: Reprodução / acritica.net

Há cerca de dez anos, Roberta Negrini, uma bem-sucedida executiva do ramo dos cosméticos, largou sua carreira de sucesso em busca de um trabalho que priorizasse o cuidado com as pessoas e a defesa do meio ambiente.

Assim, em 2014, nasceu a Joaquina Brasil, uma loja especializada em vender peças de roupas fabricadas com resíduos e sobras de tecidos de grandes e pequenas confecções.

O negócio deu super certo e a marca chegou a ter cinco unidades, algumas em grandes shoppings do Brasil. A mão de obra contava com a colaboração de presas do Centro de Progressão Penitenciária do Butantã, zona oeste da capital.

Neste momento, a empresária sentiu a necessidade de uma produção em maior escala e se deparou com a realidade do Brás, famoso reduto paulistano da indústria têxtil.

“A oficina ficava num beco. As mulheres trabalhavam de 10 a 12 horas por dia, com os filhos amarrados no pé da máquina de costura. Saí de lá com a convicção de que não colocaria um único real em um negócio daqueles”, conta Negrini.

Alguns dias depois, quase por acaso, Roberta foi visitar um projeto do AfroReggae chamado Segunda Chance. A iniciativa também oferecia oportunidades para mulheres em situação de vulnerabilidade, incluindo ex-detentas e detentas em regime semi-aberto.

“Eu me apaixonei por essa causa porque percebi que são mulheres invisíveis. Quando você fala de mulheres encarceradas, todo o mundo julga como pessoas criminosas, que não têm índole, não tem ética. A gente percebe que, na prática, não é isso. A gente vê mulheres muito sofridas, que têm uma autoestima baixíssima e que não têm acesso a educação ou referências. Minha grande razão é virar essa invisibilidade, que as pessoas possam ter um pouco mais empatia, de uma mulher por outra mulher”, revelou a empresária para o portal GShow, da Rede Globo.

Desde então, confessa Roberta, as lojas ficaram um pouco de lado e a militância pela causa da ressocialização das detentas passou a ser uma prioridade. Foi aí que nasceu a ideia do Movimento Eu Me Visto Bem.

“O que eu acreditava mesmo é que eu podia transformar a vida daquelas pessoas por meio da geração de empregos”, explicou Negrini em entrevista para a edição impressa do Estadão.

Agora, o movimento, que surfa a bem-vinda e necessária onda ESG, fabrica roupas e coleções especiais em parceria com grandes marcas como Natura e Renner.

Atualmente, o projeto garante emprego para quase 68 mulheres, 38 delas detentas da Penitenciária Feminina de São Paulo e outras 30 do presídio de Santana, na zona norte da cidade.

“É libertador você entender que você é útil na sociedade. Ouço muito minhas colaboradoras falando que elas não têm mais vergonha nem medo de enfrentar o que está por vir”, comemora a empresária-militante.

Texto produzido em 11/3/2022


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024