Recicla Sampa - Plástico compostável não é nada sustentável, revela estudo
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Plástico compostável não é nada sustentável, revela estudo

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Materiais permanecem inalterados em ambientes marinhos por pelo menos 14 meses. Foto: Peter is Shaw 1991 / shutterstock.com

Uma pesquisa recente conduzida pela professora Sarah-Jeanne Royer e sua equipe na Universidade da Califórnia (EUA) trouxe à tona uma descoberta surpreendente: o plástico compostável permanece inalterado em ambientes marinhos por um período mínimo de 14 meses.

Os resultados do estudo foram publicados na revista científica de acesso aberto PLOS ONE e divulgados na última semana pelo jornal Sci Tech Daily. De acordo com os pesquisadores, rotular plásticos compostáveis, como o ácido poliláctico (PLA), como biodegradáveis pode ser enganoso.

Vale destacar que a pesquisa enfatiza a distinção entre materiais têxteis (PLA), que podem ser compostados em um contexto industrial controlado, e materiais à base de celulose, que têm a capacidade de se biodegradar naturalmente em ambientes naturais.

Bioplásticos são a solução?

Embalagens fabricadas com matérias-primas naturais, renováveis e compostáveis parecem ser uma boa ideia e cada vez mais produtos embalados nos chamados bioplásticos podem ser encontrados nas prateleiras.

Mas será que eles são realmente mais ecológicos do que os plásticos derivados do petróleo e podem ser parte da solução da crise do lixo plástico no mundo?

Segundo pesquisadores e especialistas da Alemanha, a resposta é não. Eles não são nada sustentáveis, nem são uma boa opção para a o problema do lixo plástico.

Em princípio, a produção e descarte do bioplástico libera menos CO2 do que o plástico convencional, explica a Agência Federal do Meio Ambiente alemã.

Mas a verdade é que nem tudo que se auto-define orgânico é de fato orgânico e além disso, ainda não existe um padrão instituído e exato do que é e do que não é bioplástico.

Por exemplo, são chamados popularmente de bioplásticos aqueles feitos de matérias-primas renováveis, como milho, batata ou cana-de-açúcar. Isso significa que sua base de fabricação é exclusivamente biológica.

No entanto, a matéria orgânica utilizada nesses processos de fabricação não precisa necessariamente vir de um sistema de cultivo orgânico e ecologicamente correto.

Isso sem contar que os plásticos feitos de matérias-primas fósseis, como o petróleo bruto, se forem biodegradáveis, também são orgânicos.

"Portanto, o rótulo é absolutamente enganoso", diz Janine Korduan, porta-voz da Federação para o Meio Ambiente e Conservação da Natureza da Alemanha (BUND).


Últimas

Dicas de Reciclagem

Brasil produz 2,4 milhões de toneladas de eletrolixo por ano

Entenda o que é saiba onde descartar lixo eletrônico na cidade de São Paulo

18/06/2024
Notícias

São Paulo lança programa para melhorar gestão de resíduos

Projeto busca modernizar infraestrutura de tratamento e destinação do lixo no estado

17/06/2024
Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024