Recicla Sampa - Reciclagem e desigualdade: os pontos cegos da COP 26
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Reciclagem e desigualdade: os pontos cegos da COP 26

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Criança coleta lixo. Foto: Tinnakorn jorruang / Shutterstock.com

Quando os líderes mundiais chegaram a Glasgow, Terras Baixas ocidentais da Escócia, na segunda-feira (1) para a COP 26, alguns críticos disseram com razão que os planos da Conferência do Clima não davam muita atenção para questões ambientais fundamentais como a reciclagem e a desigualdade.

E de fato, os planos apresentados nos últimos dias foram predominantemente focados na transição para uma energia limpa e deixaram de lado todo o contexto da economia circular.

Em resumo, até agora, dezenas de países apresentaram estratégias que eles chamam de “ambiciosas” (mas que não convencem muita gente, não) para limitar o aquecimento global a 1,5 °C, a meta do Acordo de Paris.

Diretora de Programas da Circle Economy, Hatty Cooper é uma das insatisfeitas com a postura dos organizadores do evento.

“Precisamos com urgência de um modelo alternativo de produção e consumo. Precisamos que os consumidores mudem seu comportamento”, opinou Cooper.

Durante um dos painéis da COP, outra liderança insatisfeita, Panagiotis Fragkos, da equipe da E3-Modeling, foi enfático ao afirmar que "sustentabilidade ambiental e combate à desigualdade social precisam caminhar juntas".

“E um dos pontos cegos dos planos para combater as mudanças climáticas é que eles são omissos em relação à justiça social”, completou Patrick Schroeder, pesquisador do think tank Chatham House.

“Por exemplo, recicladores e catadores informais precisam ter melhores condições de trabalho para que uma economia de baixo desperdício funcione efetivamente. Muitas das questões sociais e políticas até agora foram completamente negligenciadas”, avaliou Schroeder.

Economia Circular

E se os produtos de hoje se tornassem os recursos de amanhã? Essa é a pergunta que a economia circular procura responder.

Imagine a lâmpada que oferece luz na sua casa: ela passa por um processo de produção, depois de consumo e, por fim, é descartada em um aterro sanitário, seguindo a lógica da economia linear.

A proposta desse novo modelo econômico é que essa lâmpada retorne ao seu produtor e que seja reaproveitada de alguma maneira, evitando assim a geração de resíduos e o impacto ambiental.

Em resumo, o objetivo da economia circular é gerar uma gestão mais eficiente dos recursos naturais, ou seja, manter produtos, componentes e materiais em seu mais alto nível de utilidade e valor, dentro de um escopo econômico de desenvolvimento sustentável.

Texto produzido em 5/11/2021


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024