Veja como funcionará a coleta de resíduos em situação de pandemia

26/03/2020

Imagem - O plano foi dividido em três etapas: preventivas, administrativas e operacionais. As ações serão aplicadas conforme as mudanças do cenário. Foto: Freepik

O plano foi dividido em três etapas: preventivas, administrativas e operacionais. As ações serão aplicadas conforme as mudanças do cenário. Foto: Freepik

Em razão da pandemia do COVID-19, muitos profissionais tiveram que mudar a rotina e reforçar cuidados e proteções em suas operações. Com a Autoridade Municipal de Limpeza (Amlurb), responsável por administrar a coleta de materiais em São Paulo não foi diferente. O órgão elaborou um plano de contingência de gestão de resíduos sólidos para a megalópole.

O documento foi elaborado seguindo as diretrizes da Associação Internacional de Resíduos Sólidos (ISWA) e da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e também contou com a colaboração da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE).

O plano foi dividido em três etapas: preventivas, administrativas e operacionais. As ações serão aplicadas conforme as mudanças do cenário diante da pandemia. Esses direcionamentos têm o objetivo de garantir a proteção da saúde pública, dos colaboradores e prevenir a disseminação do vírus.

Para garantir ainda mais a segurança dos agentes de limpeza urbana algumas medidas já estão sendo executados, como a ampliação dos protocolos de higiene nos alojamentos, garagens e veículos, além do reforço na comunicação com os funcionários, que estão sendo orientados diariamente sobre o tema.

Para evitar o contato direto com os moradores que estão de quarentena em casa, foram adotadas algumas medidas como: os funcionários dos 104 ecopontos da cidade não irão mais manusear os resíduos descartados pela população. Agora, o descarte deve ser feito direto nas caçambas ou nos pontos de entrega voluntária (PEV’s). As atividades de educação ambiental feitas de porta em portam também foram suspensas.

Por parte dos munícipes, o recomendado é que o resíduo domiciliar seja ensacado duas vezes em sacos resistentes, em materiais descartáveis e com enchimento de até dois terços da sua capacidade. O objetivo é evitar o contato dos coletores com possíveis itens contaminados.

“A Amlurb criou um comitê de crise entre as lideranças da autarquia com os consórcios de limpeza para monitorar, acompanhar e tomar as principais decisões durante a pandemia. Nesse momento a saúde dos agentes de limpeza é o nosso ponto de atenção. Estamos reforçando os protocolos de higiene e segurança do trabalho para manter o serviço de limpeza urbana, considerado essencial para a cidade”, diz Edson Tomaz de Lima Filho, presidente da autarquia.

Os serviços de limpeza urbana continuam funcionando normalmente, porém, caso seja decretado isolamento social generalizado (quarentena) e esse cenário comprometa parte das equipes, serão priorizados serviços mínimos essenciais à população: coleta de resíduos domiciliares comuns e hospitalares.

Quanto aos recicláveis, para evitar a exposição dos funcionários aos resíduos que podem estar contaminados, a destinação dos materiais deverá ser realizada sem qualquer triagem manual, dispensando a atuação dos trabalhadores das cooperativas. Essa medida também inclui os colaboradores que atuam nas Centrais Mecanizadas de Triagem (tecnologias que separam os materiais automaticamente) que selecionam os resíduos manualmente na etapa final do processo. Saiba mais aqui.

Fonte: Amlurb

Texto produzido em 25/03/2020

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados