Pandemia desperta consciência ambiental na população

28/04/2021

Imagem - Thaíde separa seus resíduos em dois: comum e reciclável. Foto: Recicla Sampa

Thaíde separa seus resíduos em dois: comum e reciclável. Foto: Recicla Sampa

Em tempos de pandemia e notícias ruins, nada como uma notícia boa para trazer esperança de tempos melhores. Uma pesquisa do IBM Institute for Business Value com 14 mil consumidores, incluindo brasileiros, indica uma mudança do ponto de vista da população em relação ao consumo e seu impacto no  meio ambiente.

O estudo aponta, por exemplo, que 66% dos brasileiros estão dispostos a alterar seus hábitos para minimizar os problema ambientais. Em âmbito global, o dado que mais chama atenção é que nove em cada dez entrevistados disseram ter alterado seu ponto de vista sobre a sustentabilidade depois da pandemia.

Outro dado muito interessante reflete uma tendência já perceptível: a opção por trabalhar em empresas ambientalmente responsáveis. Pouco mais de 70% dos profissionais afirmam que elas são mais atraentes como empregadores. Quase metade dos entrevistados aceitariam ganhar menos para atuar nessas empresas.

Em resumo, a pesquisa foi clara em apresentar consumidores mais dispostos a mudar a forma como vivem, a maneira como viajam, os produtos que consomem, como descartam o lixo e até mesmo as empresas que trabalham ou onde fazem investimentos. Tudo em função de fatores de sustentabilidade.

Reciclagem em SP

No âmbito local também temos o que comemorar. O último relatório da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (AMLURB) apresentou uma adesão história à reciclagem de lixo na capital paulista.

Os resíduos provenientes do serviço de coleta seletiva do município apontam um crescimento de 12% durante o primeiro ano de quarentena na cidade, quando foram coletadas cerca de 92.6 mil toneladas de recicláveis, contra 82.4 mil toneladas no período anterior – um aumento de 10,1 mil toneladas. 

Ao analisar apenas o ano de 2020, o município registrou um crescimento histórico nos números de coleta seletiva. De janeiro a dezembro do último ano, foram coletadas 94.4 mil toneladas de resíduos secos passíveis de reciclagem – um aumento de 17.4%, comparado ao mesmo período de 2019. 

O estudo atribui esse crescimento não somente ao período de isolamento social, onde pode-se observar maior adesão do paulistano à reciclagem, mas também às iniciativas promovidas pela Prefeitura e pelo Recicla Sampa em educação ambiental. 

Texto produzido em 21/4/2021

Tags: notícias
Espalhe essa informação

Assuntos Relacionados