Recicla Sampa - Loja na Suécia transforma roupas velhas em peças novas
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Loja na Suécia transforma roupas velhas em peças novas

Veja outros artigos relacionados a seguir

Foto1
Consumidores podem acompanhar o passo a passo da transformação de seus novos produtos. Foto: Divulgação

A rede de lojas de moda sueca, a H&M, informou a seus clientes que eles podem levar peças velhas de roupas para que elas sejam transformadas em novos produtos. A iniciativa acontece na unidade de Drottninggatan, em Estocolomo, na Suécia.

A ação é possível devido a uma tecnologia de reciclagem chamada Looop. O cliente pode acompanhar o funcionamento da máquina, que é envidraçada para que a pessoa acompanhe o passo a passo da transformação. O interessado poderá escolher entre três peças para transformação: um suéter, um cobertor de bebê ou um cachecol.

Segundo a H&M, a tecnologia usada pelo Loop permite que as roupas sejam limpas, desfiadas em fibras e transformadas em novos fios, e partir disso são tricotadas em novas peças. “Alguns materiais virgens de fontes sustentáveis precisarão ser adicionados durante o processo e, é claro, trabalhamos para tornar essa parcela o menor possível”, afirma o comunicado da empresa.

Ainda de acordo com a marca de moda sueca, o equipamento não usa água e nem produtos químicos, o que torna o impacto ambiental da produção significativamente menor do que quando se produz peças com materiais virgens. Para os consumidores que são parte do programa de fidelidade da rede, a reciclagem da roupa custará 100 coroas suecas, o equivalente a 60 reais. Para aqueles que não são do programa, o preço será de 150 coroas suecas, algo em torno de 95 reais. Segundo a empresa, o dinheiro arrecadado com essa iniciativa será revertido em pesquisa e no desenvolvimento de matérias-primas.

A ação do Looop foi criada pela Fundação H&M em parceria com o Hong Kong Research Institute of Textiles and Appareal. “Estamos trabalhando para reduzir a dependência em matérias-primas virgens. Conseguir a adesão dos clientes é fundamental para alcançar uma mudança real e estamos muito animados para ver o que o Looop irá inspirar”, diz Pascal Brun, diretor de sustentabilidade da companhia.

Apesar de ser uma boa iniciativa, especialistas dizem que a ação não é capaz de funcionar em larga escala. Desde 2013, a H&M, que tenta ser um varejo de moda mais sustentável, lançou um programa global de coleta de roupas usadas em todas as suas lojas e estabeleceu o objetivo de fazer com que todas as peças vendidas fossem feitas de materiais reciclados ou de origem sustentável até 2030. Hoje em dia, esse número é de 57%, diz a marca.

Fonte: Conexão Sustentável

Texto produzido em 13/10/2020


Últimas

Notícias

Brasil reciclou seis mil toneladas de latas de alumínio desde 1990

Circularidade do material gera emprego e renda para 800 mil catadores de lixo reciclável

14/06/2024
Notícias

Governo Federal anuncia investimentos em cooperativas de reciclagem no Brasil

Liberação de R$ 8 milhões vai beneficiar mais de 15 entidades e associações do setor

13/06/2024
Notícias

O que é Ecodesign e qual sua importância para a sustentabilidade

Tendência busca minimizar impactos ambientais durante o ciclo de vida dos produtos

12/06/2024
Notícias

São Paulo tem o maio mais quente em 81 anos

Entenda como a reciclagem contribui para conter o aquecimento global

11/06/2024