Recicla Sampa - Economia circular é a solução para regenerar o planeta
Recicla Sampa
sp156

Para esclarecer dúvidas sobre os serviços de coleta domiciliar de resíduos sólidos, limpeza urbana e varrição pública entre em contato com o 156 ou clique aqui.

Economia circular é a solução para regenerar o planeta

Veja outros artigos relacionados a seguir

Produzir sem explorar os recursos, garantir uma produção a base de energias renováveis e o retorno dos produtos para a cadeia de produção. Esse processo, conhecido como economia circular, vem ganhando cada vez mais espaço e importância no debate em torno da sustentabilidade. E é este o debate que propõe Carlo Pereira, coordenador do Pacto Global neste episódio do Podcast do Recicla.

“O planeta consegue se regenerar por si só, mas estamos chegando a um ponto que talvez o meio ambiente não consiga se auto renovar. Uma das soluções para minimizar esse impacto seria a economia circular”, afirma Carlo Pereira. 

Sob o comando do apresentador Cazé Peçanha e do jornalista ambiental Matthew Shirts, a nova Websérie do Recicla tem trazido nomes importantes da área da sustentabilidade para debater os atuais desafios ambientais no Brasil e no mundo.

Neste episódio, no centro da roda está a economia circular, que se propõe a romper com um modelo tradicional (economia linear) em que os recursos naturais são extraídos para fabricação de produtos e, no pós-consumo, os materiais são descartados, sem chances de reaproveitamento.

A ONU criou em 2004 o Pacto Global, uma iniciativa para impulsionar essa mudança no mundo. No Brasil, essa ação é coordenada por Carlo Pereira, que integra o Grupo Temático de Energia e Clima da Rede Brasil.

Para o especialista, poupar os recursos naturais na fabricação de produtos já é um avanço para salvar o meio ambiente. É o caso da lata de refrigerante, composta de alumínio, que depende da extração de bauxita da natureza. Hoje em dia, parte deste componente tem sido poupado por meio da reciclagem. No Brasil, a reciclagem deste material é de quase 100%, de acordo com o último levantamento feito pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas).

Foto1
Neste episódio, no centro da roda está a economia circular, que se propõe a romper com um modelo tradicional. Foto: Recicla Sampa

“Dificilmente, o alumínio vai parar no aterro sanitário. Ele é reaproveitado e volta para a cadeia de produção e consumidora”, explica Carlo.

Mas não apenas o alumínio é passível de reciclagem, outros materiais também são como plástico, vidro e papel. Quer saber mais sobre economia circular e como pode contribuir para isso? Assista ao episódio acima.

Outros convidados

Além do papo com o representante o Pacto Global, você vai poder acompanhar na Websérie do Recicla nomes como:

- Andrea Alvares, vice-presidente de marca, inovação, internacionalização e sustentabilidade da Natura;

- Amanda Cruz, embaixadora na ONU e Idealizadora do Climathon Brasil e Perifa Sustentável;

- Carioca, presidente da Cooperativa de Coleta Seletiva de São Paulo;

- Carlos Antônio, catador;

- Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, diretor-presidente da ABRELPE;

- Luciano Loubet, promotor de Justiça (MS);

- Mateus Mendonça, sócio-diretor da Giral;

- Mundano, Criador do PIMP MY CARROÇA;

- Paulina Chamorro, jornalista ambiental;

- Ricardo Abramovay, professor de Filosofia da USP;

- Suzana Kahn, professora de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Texto produzido em 11/12/2020


Últimas

Notícias

Plataforma inclusiva busca impulsionar reciclagem no Brasil

Reciclar pelo Brasil atua com foco na regularização e profissionalização de cooperativas

28/05/2024
Notícias

Catadores se mobilizam pela reciclagem de papel no Brasil

Representantes da indústria e do governo federal receberam entidades do setor em Brasília

27/05/2024
Notícias

Coopercaps e colégio Portinari promovem coleta de lixo eletrônico

Urnas serão instaladas na próxima quarta-feira na instituição de ensino da zona sul

24/05/2024
Notícias

Enchentes devem gerar 47 milhões de toneladas de lixo no RS

Estimativas indicam cerca de 19 milhões de toneladas de escombros de casas e edifícios

23/05/2024